28.8 C
Luanda Province
Wednesday, May 29, 2024
 

27 Anos Depois Exploração de Petróleo Regressa no Onshore da Bacia do Kwanza

A Sonangol anunciou o início das operações de perfuração do poço Tobias-13 no Bloco KON-11. A Corcel PLC é parceira da Sonangol e detém um interesse participativo de 20% (18% líquidos) neste bloco.

O Bloco KON-11 está localizado na Bacia Terrestre do Kwanza e inclui o campo Tobias, perfurado e desenvolvido pela Petrofina nas décadas de 1960 e 1970, e foi encerrado em 1996.

O plano de trabalho inicial para o Bloco KON-11 que depende dos resultados deste primeiro poço, deve incluir a perfuração de um ou mais poços novos. Caso a perfuração seja  bem-sucedida, o consórcio avançará diretamente para a produção inicial de petróleo, uma vez que os resultados positivos da perfuração abrirão caminho para uma avaliação mais aprofundada dos dados geológicos e geofísicos, visando a melhoria dos mapas estruturais do bloco e o reinício da produção escalonável.

A reativação das actividades de exploração no Bloco KON-11, especialmente na Bacia do Kwanza, que esteve inactiva desde os anos 90, representa um marco significativo para a indústria petrolífera angolana.

As operações de perfuração estão a ser lideradas pela empresa  Corcel, que expressou o seu entusiasmo com o início das actividades de perfuração em Angola, considerando esse marco extremamente significativo para a empresa.

A Corcel e a Sonangol têm a convicção de que a reinterpretação das estruturas existentes, aliada à aplicação de tecnologia de perfuração e completação de ponta, incluindo a possibilidade de perfuração horizontal, resultará num aumento significativo do Original Oil in place (“OOIP”) do campo.

O reservatório convencional do campo Tobias está situado no calcário Binga, com uma porosidade que varia entre 4% e 14%, a uma profundidade de cerca de 700 metros. O pico histórico de produção do poço Tobias foi de 17,5 KBPD, com um total de 29 MMBBLS produzidos ao longo da vida do campo.

A Corcel estima que os recursos petrolíferos contingentes não produzidos atinjam a marca de 65 MMBBLS, dos quais 11,7 MMBBLS correspondem à participação líquida da CRCL. Isso qualifica o campo para os benefícios fiscais estabelecidos pelo governo angolano para campos marginais, resultando em regimes favoráveis de royalties, impostos e depreciação. 

O campo poderá começar a produzir no final do segundo trimestre de 2024. A Sonangol é a operadora do Bloco, com uma participação de 30%. A Brite’s Oil and Gas detém uma participação de 25%, o Grupo Simples conta com 20%, a empresa Atlas Petroleum Exploration 20% e a Omega Risk Solutions com um interesse participativo de 5%.

Subscreva

- Obtenha acesso total aos nossos conteúdos premiums

— Publicidade —

Recentes

4 COMMENTS

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here