Quarta-feira, Dezembro 7, 2022

Must read

Mais Artigos

Uganda Prevê Efectuar a sua Primeira Exportação de Petróleo em 2022

Os parceiros do projecto de exportação de petróleo do Uganda insistem que ainda estão em vias de tomar uma decisão final de investimento (FID) até meados de 2019, à medida que os obstáculos no caminho para a primeira produção são lentamente eliminados.

A Total, a companhia chinesa Cnooc e a independente Tullow do Reino Unido, estão a desenvolver descobertas na região de Lake Albert, no litoral de Uganda, que segundo estimativas, tem um volume total de recursos de cerca de $6,5 bilhões de barris de petróleo bruto. A produção será transportada a partir de um hub em Homa, próximo do Lago Albert, para Tanga, na costa da Tanzânia, através de um oleoduto de 1.445 km, com uma capacidade de cerca de 216.000 bpd. As primeiras exportações foram originalmente marcadas para 2020, mas vários atrasos levaram o governo a mudar a data de volta para 2022.

Um grande bloqueio que pode estar próximo da remoção é a longa disputa tributária entre a Tullow e o governo ugandês. Isso impediu que a planejada quebra de $900 milhões da participação de um terço da Tullow no desenvolvimento para a Cnooc e a Total, o que deixaria a Tullow com uma participação de cerca de 10%.

O projecto de engenharia de front-end e o design do oleoduto foram concluídos em 2018, antes da adjudicação planejada de contractos de engenharia, aquisição e construção em 2019. A Tullow fez a primeira grande descoberta de petróleo no Uganda a uma década; as avaliações e estudos de impacto ambiental e social (ESIAs), para o desenvolvimento dos campos Tilenga e Kingfisher foram submetidos às autoridades. O campo Tilenga está a ser desenvolvido pela Total, enquanto o campo Kingfisher está a ser desenvolvido pela Cnooc.

Foram também efectuados progressos para garantir o acesso à terra e o desenvolvimento de infra-estruturas de transporte, como estradas e um aeroporto, necessários para que o projecto continue. Em 2018, o Uganda assinou um acordo com um consórcio liderado pela GE para construir uma refinaria para processar 60.000 bpd, o que provavelmente custará mais de $3 bilhões, com previsão de estar operacional em 2023.

Um dos maiores desafios prende-se na garantia da conclusão dentro do cronograma do oleoduto aquecido logisticamente complexo para a Tanzânia. O financiamento do projecto tem progredido, visto que estão previstos para o 1º semestre de 2019 a conclusão de importantes acordos comerciais, técnicos e fundiários entre os governos do Uganda e Tanzânia, bem como a apresentação do ESIA. (Petroleu-Economist).

- Advertisement -spot_img

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

- Publicidade -spot_img

Mais Recentes