27.6 C
Luanda Province
Sexta-feira, Julho 19, 2024
 

TotalEnergies Prepara-se para Reiniciar o Projeto de LNG em Cabo Delgado, Moçambique 

A petrolífera francesa TotalEnergies garante estar a trabalhar com o objectivo de retomar a construção da planta de LNG na Península de Afunji, em Cabo Delgado, até ao final deste ano. 

O projecto, cuja execução foi interrompida em 2021 devido à declaração de força maior pelo consórcio, teve sua paralisação desencadeada por um ataque terrorista ocorrido a menos de 30 km do acampamento do projecto. 

Patrick Pouyanne, Presidente da TotalEnergies, destacou que a situação de insegurança que havia levado à suspensão dos trabalhos em 2021 registou uma melhoria substancial, possibilitando assim a retomada das obras ainda este ano. Com esse novo cronograma em perspectiva, a produção de gás do projecto avaliado em $20 biliões, pode agora iniciar em 2028, proporcionando um novo impulso ao aumento das taxas de juros da dívida de $900 milhões. Estas taxas estão programadas para subir de 5% para 9% a partir de Março de 2024. 

Lutz Roehmeyer, Diretor de Investimentos da Capitulum Asset Management, enfatizou a importância da retomada do projecto de LNG para o cumprimento das obrigações financeiras.  Mesmo com o apoio financeiro do Fundo Monetário Internacional (FMI), Moçambique continua a enfrentar desafios financeiros, incluindo atrasos no pagamento da dívida interna e dificuldades no pagamento dos funcionários públicos. 

A reestruturação da dívida em 2019 está diretamente ligada à produção de gás natural, uma vez que se adiou o aumento das taxas de juros por 05 anos até o início da comercialização do gás. Isso foi um dos principais argumentos para convencer os investidores a aceitar a reestruturação.  

Moçambique possui 03 projectos de desenvolvimento aprovados para explorar as vastas reservas de gás natural na bacia do Rovuma, que está entre as maiores do mundo, localizada ao largo da costa de Cabo Delgado. 

Dois desses projetos são de grande dimensão e envolvem a extração do gás do fundo do mar, sendo que a liquefação será feita numa unidade de processamento e a exportação será por via marítima. Um desses projectos é liderado pela TotalEnergies (consórcio Área 1) e o outro é o investimento ainda não anunciado liderado pela ExxonMobil e Eni (consórcio Área 4). 

Um 3º projecto de menor escala pertencente ao consórcio da Área 4, que consiste em uma plataforma flutuante para a captura e processamento de gás para exportação diretamente no mar. Prevê-se que a FLNG produza 3,4 milhões de toneladas por ano de gás natural liquefeito, enquanto a Área 1 tem como objectivo processar 13,12 milhões de toneladas por ano e o plano em terra para a Área 4 se prevê 15 milhões de toneladas por ano. 

A província de Cabo Delgado, no norte de Moçambique, enfrenta uma insurreição armada há 05 anos, com alguns ataques reivindicados pelo grupo extremista Estado Islâmico.

Subscreva

- Obtenha acesso total aos nossos conteúdos premiums

Recentes

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui